Comenzó Grito Rock, un festival que recorre cientos de ciudades brasileras hasta el mes de abril

La gira latina de Grito Rock comienza en febrero

Cientos de ciudades participarán de la 14° edición de este festival de cultura y resistencia, yendo más allá de la narrativa del continente latinoamericano.

El período de Carnaval marca nuevamente el inicio de Grito Rock, que este año trae toda la potencia de América Latina para el festival, con nuevos colaboradores de diversas localidades. Marcado por la lógica colaborativa y por la integración entre diferentes realizadores, el festival que ya lanzó diversos nombres en la escena musical independiente, comienza 2016 ampliando sus conexiones entre las ciudades y los realizadores del evento.

Centenas de productores ya están trabajando para inaugurar el festival en sus ciudades y las fechas serán distribuidas entre los días 5 de febrero y 30 de abril. Las inscripciones para productores están abiertas y disponibles en el site de Grito Rock en portugués, español e inglés.

Para reforzar el carácter de resistencia del evento, el nuevo diseño de Grito Rock se conecta con uno de los mayores artistas de América Latina, construyendo su identidad visual a partir de la obra conceptual del argentino León Ferrari. Ferrari uno de los cinco artistas plásticos más provocadores e importantes del mundo según The New York Times, fue uno de los responsables por trabajar el concepto de la intolerancia utilizando temas polémicos de la actualidad.

La narrativa de Grito se inspira y respira en León y trae todas las oportunidades de las regiones en donde el festival es realizado. Jóven y al mismo tiempo osada, representa la lucha y sangre latina, la resistencia presente en el acto de vivenciar la cultura en todo el territorio mundial, con fuerte presencia en ciudades del interior, año tras año.

La 14° edición de Grito Rock trae la marca de un período de nuevas posibilidades, para expandirse aún más y permitir nuevos formatos de evento y arreglos diversos y creativos, que abarcan desde las pequeñas casas de show hasta los grandes escenarios o el espacio público. Entre las atracciones, bandas y músicos de todos los ritmos, y también representantes del teatro, la danza, las artes visuales, la moda y la literatura, tienen lugar.

A fin de propiciar la circulación de los artistas, el festival mantiene su característica de crear rutas que facilitan túneles de articulación entre ciudades que reciben de Grito Rock y pueden dialogar con bandas y grupos diversos. Los artistas que se interesan en componer la programación del festival, podrán ser seleccionados por los productores a través de la plataforma “Toque no Brasil” (TNB), que divulgará las vacantes en las ciudades realizadoras del evento.

Realizado por Fora do Eixo, con el apoyo de Toque No Brasil y financiado por Fora do Eixo Card, cada año el Grito Rock suma decenas de nuevos productores. Con el objetivo de democratizar el acceso a las informaciones y facilitar la producción de un evento, ofreciendo instructivos, tutoriales y campañas en el área de producción, comunicación, sustentabilidad y formación.

Histórico

Después del inicio de las ediciones integradas en 2007, el Grito Rock creció exponencialmente y en 2011 se expandió a 130 ciudad, en ocho países, movilizando 2 mil bandas y aproximadamente 200 mil espectadores. En la décima edición, en 2012, fueron 205 ciudades realizadoras, 37% más en comparación con 2011, envolviendo en la participación directa a 700 productores culturales, de 15 países diferentes. Finalmente, en 2014, ganando amplitud global, el festival alcanzó más de 300 ciudades y 35 países, con ediciones en varios países de América Latina, América del Norte, Europa y África.

Fora do Eixo

Fora Do Eixo es una red de cultura y comunicación que reúne colectivos y colaboradores distribuidos alrededor de 300 ciudades brasileñas. En 10 años de actuación, impulsó la creación de decenas de proyectos, que entre otras cosas, estimularon el desenvolvimiento de otras redes, tales como la Universidad de las Culturas, el Banco de las Culturas, la Red Brasil de Festivales, Mídia Ninja y el propio Grito Rock.

Grito Rock

Sin propietarios ni patrocinadores masters, el Grito Rock es un festival colaborativo basado en las tecnologías libres. En 2016 se realizará desde el 5 de febrero hasta el 27 de marzo. Productores independientes pueden inscribirse para participar y realizar una edición en su ciudad. El formato colaborativo permite que, como cada año, más productores compartan experiencias y fortalezcan la cadena productora de música local y crear conexiones en ámbito global.

Toque no Brasil (TNB)

Es un sitio web-red de música brasileña que tiene como objetivo conectar bandas, músicos y productores a través de una plataforma que reúne eventos, proyectos y festivales diversos. Todas las vacantes abiertas por los festivales de Grito Rock Mundo 2016 son gerenciadas por “Toque no Brasil”, en donde el productor inscribe su evento y ofrece espacios para que las bandas se anoten.


A jornada latina do Grito Rock começa em fevereiro

Com centenas de cidades participantes, a 14ª edição traz cultura e resistência, indo além da narrativa do continente latino-americano

Centenas de produtores já estão trabalhando para lançar o festival em suas cidades, e as datas serão distribuídas entre os dias 5 de fevereiro a 30 de abril. As inscrições para produtores estão abertas e disponíveis no site do Grito Rock em português, espanhol e inglês.

O período carnavalesco marca novamente o início do Grito Rock, que este ano traz toda a potencialidade da América Latina para o festival, com novos parceiros de diversas localidades. Marcado pela lógica colaborativa e pela integração entre os realizadores, o festival que já lançou diversos nomes no cenário musical independente entra em 2016 ampliando sua conexão entre as cidades realizadoras do evento.

Para reforçar o caráter de resistência do evento o novo design do Grito Rock se conecta com a obra conceitual de um dos maiores artistas da América Latina, o argentino León Ferrari, um dos cinco artistas plásticos mais provocadores e importantes do mundo segundo o The New York Times, responsável também por trabalhar o conceito de intolerância ao utilizar temas polêmicos e atuais. A narrativa do Grito inspira e respira em León, trazendo todos os ensejos das regiões onde o festival é realizado. Jovial e ao mesmo tempo ousado, de forma a representar a luta e o sangue latino, e a resistência presente no ato de vivenciar a cultura em todo o território mundial, com forte presença em cidades do interior, ano após ano.

A 14ª edição do Grito Rock vem trazendo a marca de um período de novas possibilidades, onde o leque se expande ainda mais para permitir novos formatos de evento e arranjos diversos e criativos que contemplam desde as pequenas casas de shows, até os grandes palcos e espaço público. Entre as atrações, bandas e músicos de todo ritmo, e também artistas de teatro, artes visuais, dança, moda e literatura.

Afim de propiciar a circulação dos artistas, o festival mantém sua característica de criar rotas que facilitam turnês, através da articulação entre cidades que recebem o Grito Rock e podem dialogar com bandas e grupos diversos. Os artistas que se interessarem em compor a programação do festival poderão ser selecionados pelos produtores através da plataforma Toque no Brasil, que irá divulgar a abertura de vagas nas cidades onde ocorrerá o evento.

Realizado pelo Fora do Eixo, com apoio do Toque no Brasil e financiado pelo Fora do Eixo Card, a cada ano o Grito Rock agrega dezenas de novos produtores. Com o intuito de democratizar o acesso à informação e facilitar a produção de cada evento, oferece cartilhas, tutoriais e campanhas na área de produção, comunicação, sustentabilidade e formação. Todo conteúdo é disponibilizado para usufruto dos produtores e cria canais de diálogo entre esses, visando o fortalecimento de uma rede global de música.

Histórico

Depois do início das edições integradas em 2007, o Grito Rock cresceu exponencialmente e em 2011 alcançou a marca de 130 cidades, em oito países, movimentando 2 mil bandas e aproximadamente 200 mil espectadores. Na décima edição, em 2012, foram 205 cidades realizadoras, 37% a mais em comparação com 2011, envolvendo a participação direta de 700 produtores culturais, de 15 países diferentes. Finalmente, em 2014, ganhando amplitude global, o festival alcançou mais de 300 cidades e 35 países, tendo edições em vários países da América Latina, América do Norte, Europa e África.

Fora do Eixo

O Fora do Eixo é uma rede de Cultura e Comunicação que reúne coletivos e parceiros espalhados em cerca de 300 cidades brasileiras. Em dez anos de atuação impulsionou a criação de dezenas de projetos, que, por sua vez, estimularam o desenvolvimento de outras redes, tais como a Universidade das Culturas, o Banco das Culturas, a Rede Brasil de Festivais, a Mídia NINJA e o próprio Grito Rock.

Grito Rock

Sem proprietários e patrocinadores master, o Grito Rock é um festival colaborativo, baseado em tecnologias livres. Em 2016 acontece no período de 5 de fevereiro a 30 de abril. Produtores independentes podem inscrever-se para participar e realizar uma edição em sua cidade. O formato colaborativo permite que, a cada ano, mais produtores compartilhem experiências e fortaleçam a cadeia produtiva da música local ao passo que cria conexões em âmbito global.

Toque no Brasil (TNB)

Site e rede de música brasileira com o objetivo de conectar bandas, músicos e produtores através de uma plataforma que reúne eventos, projetos e festivais diversos. Todas as vagas abertas pelos festivais do Grito Rock Mundo 2016 são gerenciadas pelo Toque no Brasil, no qual o produtor cadastra seu evento e oferece vagas para as bandas se inscreverem.

Publicado por Grito Rock

Grito Rock 2016 – Joâo Pessoa (PB)

Provocador, transgressor, libertário! O Grito Rock 2016 vem pra desarrumar o arrumado e balançar 5 continentes que se conectam no maior festival em rede do mundo! De 5 de fevereiro a 30 de abril acontece a décima quarta edição do festival de maneira colaborativa em 300 cidades, com especial adesão de mais países da América Latina.

Conectando todos os estados do Brasil e continentes do planeta, o Festival Grito Rock acontece desde 2005 e foi criado como uma alternativa ao carnaval tradicional. O festival já lançou diversos nomes no cenário musical independente, amplia as possibilidades de conexão entre as cidades realizadoras do evento e promove rotas de circulação para milhares de artistas.

#9 GRITO ROCK JOÃO PESSOA

Nos 8 últimos anos, o Grito Rock João Pessoa levou centenas de artistas musicais locais e de fora do estado ao Centro Histórico da cidade, aberto para um público de cerca de 28 mil pessoas. Em 2015, o evento levou 30 bandas, além de debate, exposição e mostra audiovisual, em várias casas da Praça Antenor Navarro, para um público de aproximadamente 8 mil pessoas, e se consolida como uma alternativa complementar às tradicionais festividades de carnaval.

Em 2016, o Festival Grito Rock chega a sua nona edição em João Pessoa e acontecerá de 11 a 13 de fevereiro, ocupando mais uma vez a Praça Antenor Navarro e duas casas no seu entorno: o Centro Cultural Espaço Mundo e o Pogo Pub, com o apoio do movimento Varadouro Cultural. Serão então 3 palcos que levarão shows de 30 bandas em 2 noites de muita música independente e autoral, explorando uma diversidade de estilos. Além da programação musical, o evento contará também com exposição de artes, intervenções, feirinha criativa e Pós TV.

Toda a programação do festival Grito Rock João Pessoa 2015 é completamente gratuita e deve atrair um público de 4mil pessoas em cada noite de shows, sendo uma importante vitrine para artistas exporem seus trabalhos, formarem público e aumentarem seu currículo, inclusive com grande atenção das mídias tradicionais e alternativas.

Publicado por TNB

Grito Rock de Sinop tem número recorde de inscrições e será o único de Mato Grosso

O único Grito Rock de Mato Grosso acontece em março em Sinop (477km de Cuiabá) trazendo, além do rock’n’roll, jazz e hip hop ao Tabeerna. Neste ano, o portal TNB (Toque no Brasil) registrou 126 inscrições de propostas musicais para o festival, recorde na história do grito na cidade.

Dentre as bandas selecionadas estão duas paulistas: a ChokoFreaks, que toca Hardcore, e a banda Shaira, com a vocalista que dá nome ao grupo e o baterista Thomas (que já foi baterista do Restart), com o melhor da Folk Music.

Vindo de Cuiabá, onde nasceu o Grito Rock em 2003, está o Rapper Linha Dura, que mistura hip hop, siriri e cururu, ritmos da cultura tradicional mato-grossense. Além dele, o músico Wellington Berê também será destaque com uma mistura de dois projetos que vai lançar neste ano: um de pop e outro de jazz.

As pratas da casa, bandas de Sinop, são o Grupo Mattagal e Morais, Banda RDF e Dog Skate Rap. Além das apresentações, o Grito Rock também vai contar com oficinas e debates. As inscrições ainda não estão abertas.

O festival

A 14ª edição do Grito Rock acontece neste ano em 300 cidades do Brasil, como opção diferente aos festejos que normalmente acontecem durante a época do ano entre fevereiro e abril (carnaval e páscoa).

Publicado por Gente Sucesso

Calendario Completo

También podría gustarte