Mapa de la poesía brasilera

A Caixa Cultural Rio de Janeiro promove a exposição Poesia Agora. A mostra exibe trabalhos dos principais poetas em atividade no Brasil, fazendo um mapeamento do cenário da poesia contemporânea brasileira, além de inspirar o público a criar seus próprios versos. O evento de abertura será a apresentação de um sarau amanhã (10).

Lucas Viriato, responsável pela curadoria do evento, explica que a exposição traz uma coletânea de mais de 500 poetas brasileiros e estrangeiros. “São textos, livros, vídeos, fotos, registros sonoros e saraus. A ideia é abrir espaço para o trabalho de poetas em atividade que, apesar de pouco conhecidos, apresentam uma produção relevante”, diz Viriato que é o criador do Jornal de Literatura Plástico Bolha que nasceu na PUC-Rio.

Segundo ele, a criatividade, porém, não se limita ao talento dos escritores: instalações dinâmicas e instigantes, criadas pelo cenógrafo mineiro André Cortez. “A mostra tem diversas camadas e atrai tanto quem quer conhecer a fundo a variedade da produção poética contemporânea quanto quem quer fazer um passeio leve e diferente”, explica o curador.

Para Viriato a exposição Poesia Agora é um desdobramento do trabalho de edição feito por ele no Plástico Bolha, desde 2006.  O jornal é fruto de um projeto universitário no departamento de Letras da PUC Rio. “A ideia de fazer uma mostra com base nesse trabalho nasceu quando o diretor do Museu da Língua Portuguesa (São Paulo), Antonio Carlos Sartini, conheceu o jornal. Juntos, eles montaram uma grande exposição, em 2015, que atraiu cerca de 200 mil pessoas ao museu”, diz.

Em 2017, a Caixa assumiu o patrocínio do projeto que, após ficar em cartaz na unidade cultural de Salvador, de 14 de março a 27 de maio, chega ao Rio de Janeiro.

Poesia viva

O visitante encontrará seis alas com obras em exposição, sendo algumas especialmente preparadas para a participação ativa do público. Assim, a mostra não só aproxima o leitor do poeta como, por vezes, mescla esses papéis.

No Escriptorium, cercado de portas iluminadas com projeções de poemas, encontra-se uma grande mesa com 50 livros – cada um com uma palavra impressa na lombada. Ao empilhar os livros de forma diferente, o visitante poderá montar sua própria poesia, a partir da combinação dessas palavras. Dentro de cada livro, são apresentados oito poemas, somando o total de 400 trabalhos de diferentes autores. As demais páginas estão em branco e o visitante pode registrar sua poesia ali, lado a lado com a dos poetas.

Em outra ala, o público é convidado a participar de um desafio: escrever um poema sem utilizar uma das vogais. Os poemas mais criativos serão impressos em formato lambe-lambe e expostos na mostra. Assim, a exposição vai sendo modificada ao longo do tempo, subvertendo a ideia de que uma mostra literária apresenta somente obras antigas e já consagradas.

O espaço Poesia de Rua também tem grande apelo entre os visitantes. Se nas demais salas as portas são iluminadas, neste espaço elas parecem tapumes e muros da cidade. E, dessa vez, o público agirá como curador, selecionando as melhores poesias e pichações, por meio de fotos tiradas por ele mesmo em sua cidade.

As fotos poderão ser enviadas pelo e-mail [email protected] ou postadas nas redes sociais em modo público com #PoesiaAgora. As melhores imagens selecionadas serão exibidas ao longo da exposição.

Serviço

Exposição Poesia Agora

Caixa Cultural Rio de Janeiro – Galeria 1 (Av. Almirante Barroso, 25 – Centro)

Sarau de abertura: 10 de junho (sábado), às 16hVisitação: de 11 de junho a 6 de agosto (de terça-feira a domingo), das 10h às 21hEntrada FrancaClassificação Indicativa: Livre

Publicado en SolidarioNoticias

Poeta lança app que mapeia poesia no país

A poesia tem casas – e ela pode estar morando mais perto do que você imagina. A poeta brasiliense Marina Mara teve a ideia de ajudar aos interessados a encontrar onde a poesia está criando um mapa que registra bibliotecas, residências de autores, intervenções urbanas e outros em mais de 10 mil pontos do país. Todos estes dados estão agora disponíveis no aplicativo gratuito PoemApp, que ela lançou para Android.

O projeto foi criado pela poeta com base em dados colhidos em uma década circulando pelo Brasil com ativismo poético focado na popularização dessa forma de expressão. Mas não é só o conhecimento dela que cria o mapa: os usuários podem – e devem – participar, contribuindo com a localização e a descrição de saraus.

“Ao idealizar o PoemApp pensei no quanto seria útil reunirmos a cena literária do Brasil em um só lugar, de forma democrática e sustentável. Imagina chegar em uma cidade e num clique descobrir tudo o que está rolando na cena poética local, a biblioteca ou editora mais próxima, o sarau, o lançamento de livro, o poeta da cidade… É uma ‘mão no verso’ para formação de público”, brinca Marina.

O aplicativo foi desenvolvido junto à Universidade de Brasília, coordenada por Suzete Venturelli, professora e doutora. O conteúdo também está no sitepoemapp.com.br, que apresenta o mapa da poesia do Brasil, além de um blog com dicas literárias.

Quem baixa o aplicativo ainda ganha de graça uma versão digital do novo livro da escritora, ‘Profissão Poeta – um guia prático e amoroso sobre viver de poesia’. O guia é uma compilação das palestras e workshops que Marina ministrou pelo Brasil.

O livro vai na contramão das convenções sociais, incentivando os jovens escritores a investirem em uma carreira literária, usando temas como a publicação de livros, autogestão da carreira artística, ativismo literário, captação de recursos, produção de saraus, financiamento coletivo de projetos e outros temas relativos à divulgação de livros.

Publicado en MetroJornal

También podría gustarte