MITsp 2020

La Muestra Internacional de Teatro de San Pablo anuncia su séptima edición

Por Redacción Nodal Cultura

La séptima MITsp – Muestra Internacional de Teatro de San Pablo, se desarrollará entre el 5 y el 15 de marzo con doce producciones internacionales no presentadas hasta ahora en la ciudad, una instalación video-musical y doce espectáculos nacionales. La MITsp se extenderá por varios espacios de la ciudad con la participación de artistas de países como Argentina, Alemania, Brasil, Chile, Francia, Guatemala, México, Portugal, Reino Unido y Suiza.

La inauguración, el 5 de marzo, será en el Auditorio Ibirapuera – Oscar Niemeyer, con el espectáculo Multitud, dirigido por la coreógrafa franco-austriaca Gisèle Vienne.

Concebido por Antonio Araújo y Guilherme Marques, director artístico y director general de producción, respectivamente, la MITsp tuvo como uno de sus ejes fundacionales las acciones pedagógicas y las miradas críticas que conforman, con igual relevancia, la programación del festival, con una grilla de cerca de 70 actividades como residencias artísticas, talleres, debates, actuaciones, conversaciones, producción de reseñas diarias y lanzamientos de libros. Después de seis ediciones consecutivas, estas acciones ya han alcanzado una audiencia de alrededor de 10,000 personas, lo que consolida a MITsp como un evento multidisciplinario.

Paralelo a estos dos ejes, MITsp también cuenta con Eventos Especiales. Este año, hay un homenaje al director Francisco Medeiros, quien murió el año pasado, y un seminario sobre Perspectiva Anticolonial, organizado por Christine Greiner, Andreia Duarte y José Fernando Peixoto de Azevedo. El seminario se divide en dos partes: Ejercicio de lectura, para tratar los problemas epistemológicos en la relación anticolonial; y los Encuentros, que invitan a investigadores, artistas y activistas de la pregunta: «¿Qué podemos imaginar juntos?».

Artistas en foco

En esta edición el director y dramaturgo portugués Tiago Rodrigues es el artista en foco. Rodrigues, uno de los nombres más importantes de la escena cultural europea, y ganador del XV Premio Europa Realities en 2018, se presenta dentro de la programación de Mostra con sus obras Sopro e By Heart.

By Heart – Foto: Magda Bizarro

El intérprete, coreógrafo e investigador João Fiadeiro será el Pedagogo en foco, quien además presentará el espectáculo What to Do From Here to Back y realizará un intercambio artístico dentro de las acciones pedagógicas.

Espectáculos internacionales

En la Muestra, el portugués Tiago Rodrigues presenta Sopro y By Heart, dos presentaciones que proponen dos modos diferentes de aproximarse a su obra.

Sopro debutó en 2017 con gran éxito en el Festival d’Avignon. El espectáculo aborda la trayectoria de Cristina Vidal, quien durante casi 30 años ha trabajado como apuntadora en el Teatro Nacional D. Maria II. En la trama, los clásicos de la dramaturgia, de Chekhov, Racine o Molière, se mezclan con los recuerdos y las historias de Cristina. Un homenaje al teatro y su backstage. El otro trabajo que presentará, By Heart, se ocupa de la memoria de un relación con su propia historia personal.Nació de la relación del autor con su abuela Cândida, una lectora asidua que solía decorar extractos de libros. Mientras memoriza versos, Rodrigues habla de su abuela, escritores (William Shakespeare, Boris Pasternak, Ray Bradbury) y algunos personajes literarios significativos en la literatura y dramaturgia mundial.

Tenga cuidado, de la india Mallika Taneja, parte de un episodio violento de su país que conmocionó al mundo. En 2013, después de la violación y el brutal asesinato de Jyoti Pandey de 23 años, estudiante de medicina de una familia de clase media baja, la gente salió a las calles, horrorizada por la violencia del incidente, temerosa de lo cerca que estaban de su propio ‘hogar’. La obra se instala en el contexto de estos intensos debates y la violencia continua contra las mujeres en la India.

En Burgerz, Travis Alabanza aborda una forma de violencia de la que fue víctima en público. Combinando teatro, cocina e interacción con los espectadores, Burgerz hace la pregunta: ¿qué hace el cuerpo trans para sobrevivir y cómo convertirse en un protector en lugar de un espectador? La actuación es, al estilo de Alabanza, inquietante y poderosa.

Tu amarás – Foto: Marcuse Xaverius

Desde Chile, la compañía Bonobo presenta Tu amarás, una pieza que parte de discusiones científicas sobre un grupo de extraterrestres que se establecieron en la Tierra. Las discusiones tienen lugar cuando un grupo de médicos realiza los ajustes finales a su presentación para una convención internacional sobre prejuicios en medicina. ¿Qué es un enemigo? ¿Cómo se construye? ¿Qué te define o te diferencia? ¿Cómo nos relacionamos con el «otro»? La pieza ganó el premio de la crítica en 2019 en el Tokio Festival World Competition.

La producción suiza Orlando, dirigida por Julie Beauvais, es parte de la novela homónima de Virginia Woolf sobre un personaje andrógino, que se mueve entre la mujer y el hombre. El trabajo, que combina videos y música en vivo dentro de un entorno inmersivo, investiga el género y la identidad, y pregunta quiénes son los Orlandos de hoy, habitantes de un mundo inmerso en el paradigma postbinario.

Plataforma Brasil

En su tercer año, MITbr – Plataforma Brasil se consolida como un importante programa para la internacionalización de las artes escénicas brasileñas. Para esta edición, la convocatoria lanzada en agosto de 2019 recibió 791 solicitudes de 20 estados brasileños, además de ocho solicitudes internacionales de Argentina, Portugal, España, Uruguay, Estados Unidos y Suecia.

Con la curaduría de  Alejandro Ahmed, Francis Wilker y Grace Passô, los doce espectáculos seleccionados serán presentados a programadores de festivales nacionales e internacionales, un paso para sostener el reconocimiento de las artes escénicas brasileñas en el escenario internacional, fomentando su circulación y visibilidad.

MITbr – Plataforma Brasil también presentará a la artista de danza y teatro Andreia Pires, de Inquieta Cia, de Fortaleza, que será la artista en foco de MITbr, presentando Pra Frente o Pior y Fortaleza 2040. También participa en actividades en acciones pedagógicas y miradas críticas.

Pra frente o Pior – Foto:_Éden Barbosa

La artista e investigadora Janaina Leite es la investigadora en foco en esta edición y muestrorá su trabajo reciente Stabat Mater, cuyo proceso creativo se presentó en la edición de MITsp 2019. Su trabajo será parte del debate y la conversación en el programa del eje de crítico.

El programa también incluye los espectáculos Cancioneiro Terminal, do grupo MEXA, Entrelinhas, do Coletivo Ponto Art; violento., de Alexandre de Sé; Gota D’Água {PRETA}, do grupo Gira pro Sol, O  nus Solar, de Maikon K; Meia Noite, de Orun Santana; Recolon, do Coletivo Mona; tReta, da Original Bomber Crew, ZOO, do grupo Macaquinhos, Por Onde Andam os Porcos, de Kildery Iara.

Acciones pedagógicas y miradas críticas

Cada año, como parte de la programación de la MITsp, las acciones pedagógicas y los puntos de vista críticos constituyen, con igual relevancia que los espectáculos, el panorama de intercambio y relación con el público y artistas, investigadores, productores y críticos. Las acciones buscan promover la reflexión y prácticas sobre el teatro, más allá de los espacios escénicos.

Las acciones pedagógicas, curadas por Maria Fernando Vomero, proponen en esta edición la discusión sobre nuevas pedagogías, nuevas formas de producir y transmitir conocimiento, además de otras posibilidades para permitir el surgimiento de autonomías. Esto  implica la recreación de espacios, con nuevas interacciones, nuevas formas de vivir, vivir, circular. Entre las acciones ya confirmadas se cuentan residencias artísticas con el grupo inglés Quarantine y con el director y dramaturgo argentino Lisandro Rodríguez; además de intercambios artísticos con la coreógrafa e investigadora João Fiadeiro y con la intérprete guatemalteca Regina Galindo.

Con la selección y programación de Luciana Romagnolli y Daniele Ávila Small el eje Miradas críticas, lanza preguntas al público sobre los temas que cruzan las artes escénicas y la contemporaneidad desde una perspectiva provocativa y crítica, en relación con los espectáculos presentados en la programación de la MITsp. Entre las actividades ya confirmadas se encuentran las Reflexiones político-estéticas sobre el tema «La cultura como derecho constitucional y común», además de diálogos transversales, entrevistas con los artistas en foco, publicación de artículos y reseñas diarias.

El Seminario de Perspectivas Anticoloniales es una de las actividades que forma parte de los Eventos Especiales. El seminario se divide en dos partes: Ejercicio de lectura, para tratar los problemas epistemológicos en la relación anticolonial y Encuentros, donde se invita a investigadores, artistas y activistas a reflexionar en torno a la siguiente pregunta: «¿Qué podemos imaginar juntos?»


Mostra Internacional de Teatro de São Paulo anuncia sua sétima edição

A sétima MITsp – Mostra Internacional de Teatro de São Paulo acontece de 05 a 15 de março, com doze produções internacionais inéditas na cidade, uma instalação vídeo-musical e doze espetáculos nacionais. A MITsp se espalha por vários espaços da cidade con participação de artistas de países como Argentina, Alemanha, Brasil, Chile, França, Guatemala, México, Portugal, Reino Unido e Suíça.

A abertura, dia 5 de março, será no Auditório Ibirapuera – Oscar Niemeyer, com o espetáculo Multidão (Crowd), dirigido pela coreógrafa franco-austríaca Gisèle Vienne.

Idealizada por Antonio Araújo e Guilherme Marques – diretor artístico e diretor geral de produção, respectivamente -, a MITsp teve como um de seus eixos fundadores as Ações Pedagógicas e os Olhares Críticos que compõem, com igual relevância, a programação da Mostra, com uma grade de cerca de 70 atividades como residências artísticas, oficinas, debates, performances, conversas, produção de críticas diárias, lançamentos de livros, entre outros. Após seis edições consecutivas, essas ações já alcançaram um público de cerca de 10 mil pessoas, o que consolida a MITsp como um evento multidisciplinar.

Paralelamente a esses dois eixos, a MITsp ainda conta com os Eventos Especiais. Neste ano, há uma homenagem ao diretor Francisco Medeiros, morto ano passado; e o Seminário Perspectivas Anticoloniais, com curadoria de Christine Greiner, Andreia Duarte e José Fernando Peixoto de Azevedo. Este evento se divide em duas partes: Exercício de Leitura – para lidar com as questões epistemológicas na relação anticolonial -; e os Encontros, que convidam pesquisadores, artistas e ativistas a partir da pergunta: “O que ainda podemos imaginar juntos?”

Artistas em foco

Esta edição, entre os artistas internacionais, o diretor e dramaturgo português Tiago Rodrigues é o Artista em Foco. Um dos nomes em crescente ascensão da cena cultural europeia e vencedor do XV Prêmio Europa Realidades Teatrais em 2018, Rodrigues apresenta dentro da programação da Mostra Sopro e By Heart.

By Heart – Foto: Magda Bizarro

O performer, coreógrafo e pesquisador João Fiadeiro é o Pedagogo em Foco, além de trazer o espetáculo O que Fazer Daqui para Trás, fará um Intercâmbio artístico, atividade dentro do eixo de ações pedagógicas.

Espetáculos internacionais

Na Mostra, o português Tiago Rodrigues  apresenta Sopro e By Heart, em que essa combinação é apresentada de diferentes formas.

Sopro estreou em 2017 com grande sucesso no Festival d’Avignon. O espetáculo trata da trajetória de Cristina Vidal, que há quase 30 anos trabalha como “ponto” (a pessoa que sopra as falas para atores que se esquecem do texto) no Teatro Nacional D. Maria II. Na trama, clássicos da dramaturgia, de Tchékhov, Racine ou Molière, se misturam a memórias e histórias de Cristina. Uma homenagem ao teatro e seus bastidores. Seu outro trabalho presente na programação, By Heart, de 2013, ou De Cor em português, também trata da memória a partir de uma relação pessoal. O espetáculo nasceu da relação de autor com sua avó Cândida, leitora assídua que tinha por hábito decorar trechos de livros. Enquanto se memorizam versos, Rodrigues fala de sua avó, de escritores (William Shakespeare, Boris Pasternak, Ray Bradbury) e personagens literários.

Tenha Cuidado, da indiana Mallika Taneja, também parte de um episódio violento de seu país que chocou o mundo. Em 2013, depois do estupro e assassinato brutal de Jyoti Pandey, 23 anos, estudante de medicina pertencente a uma família de classe média baixa, pessoas saíram às ruas em grande número, horrorizadas com a violência do incidente, com medo de quão perto estava de ‘casa’. Tenha Cuidado tem como pano de fundo esses intensos debates e a contínua violência contra as mulheres na Índia.

Em Burgerz, Travis Alabanza aborda outra forma de violência, a exploração do assédio que experimentou em público. Combinando teatro, culinária e interação com os espectadores, Burgerz faz a pergunta: o que o corpo trans faz para sobreviver e como se tornar um protetor, em vez de espectador? A performance é, ao estilo de Alabanza, inquietante e poderosa.

Tu amarás – Foto: Marcuse Xaverius

Do Chile, a companhia Bonobo, apresenta Tu amarás, peça que parte de indagações sobre alienígenas que tiveram que se estabelecer na Terra. As discussões acontecem quando um grupo de médicos faz os ajustes finais de sua apresentação para uma convenção internacional sobre preconceitos na medicina. O que é um inimigo? Como é construído? O que o define ou diferencia? Como nos relacionamos com o «outro»? A peça foi vencedora do prêmio de crítica em 2019 no Tokio Festival World Competition.

A produção suíça Orlando, dirigido por Julie Beauvais, parte do romance homônimo de Virginia Woolf sobre um personagem andrógino, que transita entre o feminino e o masculino. A obra, que combina vídeos e música ao vivo dentro de um cenário imersivo, investiga gênero e identidade, e questiona quais seriam os Orlandos de hoje, habitantes de um mundo imerso no paradigma pós-binário.

Plataforma Brasil

Em seu terceiro ano, a MITbr – Plataforma Brasil se consolida como um importante programa de internacionalização das artes cênicas brasileiras. Para esta edição, a convocatória lançada em agosto de 2019 recebeu 791 inscrições vindas de 20 Estados brasileiros, além de oito inscrições internacionais vindas da Argentina, Portugal, Espanha, Uruguai, EUA e Suécia.

Com curadoria de Alejandro Ahmed, Francis Wilker e Grace Passô, os doze espetáculos selecionados são convidados a se apresentar para programadores de festivais nacionais e internacionais – um passo importante para a expansão do reconhecimento das artes cênicas brasileira no cenário internacional, fomentando sua circulação e visibilidade.

A MITbr – Plataforma Brasil traz a artista da dança e do teatro Andreia Pires, da Inquieta Cia, de Fortaleza, é a Artista em Foco da MITbr e apresenta Pra Frente o Pior e Fortaleza 2040. Ela ainda participa de atividades nas Ações Pedagógicas e Olhares Críticos.

Pra frente o Pior – Foto:_Éden Barbosa

A artista e pesquisadora Janaina Leite é a Pesquisadora em Foco e mostra seu recente trabalho Stabat Mater, cuja abertura de processo foi apresentada na edição da MITsp 2019. Seu trabalho será parte de debate e conversa na programação do eixo Olhares Críticos.

Ainda compõem a programação os espetáculos Cancioneiro Terminal, do grupo MEXA, Entrelinhas, do Coletivo Ponto Art; violento., de Alexandre de Sé; Gota D’Água {PRETA}, do grupo Gira pro Sol, O  nus Solar, de Maikon K; Meia Noite, de Orun Santana; Recolon, do Coletivo Mona; tReta, da Original Bomber Crew, ZOO, do grupo Macaquinhos, Por Onde Andam os Porcos, de Kildery Iara.

Ações Pedagógicas e Olhares Críticos

Como parte da programação em todos os anos, as Ações Pedagógicas e os Olhares Críticos compõem, com igual relevância, o panorama de intercâmbio e aproximação entre o público e artistas de várias nacionalidades, pesquisadores, produtores e críticos. Suas ações procuram levar reflexões e práticas sobre o fazer teatral que vão além dos espaços cênicos.

As Ações Pedagógicas, com curadoria de Maria Fernando Vomero, propõem nesta edição a discussão de novas pedagogias, novos modos de produzir e transmitir conhecimento e outras possibilidades de permitir a emergência de autonomias – isso envolve também a recriação de espaços, com novas interações, novos jeitos de habitar, conviver, circular. Entre as ações já confirmadas, as residências artísticas com o grupo inglês Quarantine e com o diretor e dramaturgo argentino Lisandro Rodriguez, os intercâmbios artísticos com o coreógrafo e pesquisador João Fiadeiro e com a performer guatemalteca Regina Galindo.

Com curadoria de Luciana Romagnolli e Daniele Ávila Small, o eixo Olhares Críticos, a partir de uma série de ações, lança questões para o público sobre os temas que atravessam as artes cênicas – em particular os espetáculos apresentados na programação da Mostra – e a contemporaneidade sob uma perspectiva provocadora e crítica. Entre as atividades já confirmadas estão as Reflexões Estético-Políticas com mesas de conversas sobre o tema “A cultura como direito constitucional e bem comum”, além dos diálogos transversais, entrevistas com Artistas em Foco, publicação de artigos e de críticas diárias.

O Seminário Perspectivas Anticoloniais, com curadoria de Christine Greiner, Andreia Duarte e José Fernando Peixoto de Azevedo, é uma das atividades que faz parte dos Eventos Especiais. O seminário se divide em duas partes: Exercício de Leitura – para lidar com as questões epistemológicas na relação anticolonial -; e os Encontros, que convidam pesquisadores, artistas e ativistas a partir da pergunta: “O que ainda podemos imaginar juntos?”

Programação completa

Programação espetáculos internacionais

Multidao – Foto: Estelle Hanania

Multidão (Crowd)
5/3 às 20h *(Cerimônia de abertura / 21h espetáculo para convidados) – 6/3 às 21h – 7/3 às 21h – LOCAL: Auditório Ibirapuera

Sinopse: Na peça da artista franco-austríaca Gisèle Vienne, quinze jovens vivem uma montanha-russa de emoções durante uma festa de techno. Guiados por uma seleção musical que reúne artistas de renome na história da dance music, como DJ Rolando, Global Communication e Jeff Mills, os dançarinos vivenciam situações intensas e alcançam estados alterados de seus sentidos.
Ficha técnica: concepção, coreografia e cenografia: Gisèle Vienne; assistência: Anja Röttgerkamp e Nuria Guiu Sagarra; designer de luz: Patrick Riou; dramaturgia: Gisèle Vienne e Denis Cooper; seleção musical: Underground Resistance, KTL, Vapour Space, DJ Rolando, Drexciya, The Martian, Choice, Jeff Mills, Peter Rehberg, Manuel Göttsching, Sun Electric e Global Communication

*****

Sábado Descontraído (Samedi Détente)
6/3 às 21h – 7/3 às 21h – 8/3 às 18h – LOCAL: Sesc Avenida Paulista

Sinopse: Por meio de suas lembranças de infância, a ruandense Dorothée Munyaneza reconta a guerra civil que assolou seu país em 1994, levando ao genocídio de 800 mil pessoas. No espetáculo, espécie de testemunho cênico, Munyaneza tenta dar conta dos horrores do conflito através dessas memórias afetivas.
Ficha Técnica: Concepção, coreografia e direção: Dorothée Munyaneza; elenco: Nadia Beugré, Kamal Hamadache e Dorothée Munyaneza.

*****

Tenha Cuidado (Be Careful) 
6/3 às 19h – 7/3 às 19h – 8/3 às 17h e às 19h – LOCAL: Itaú Cultural

Sinopse: Em dezembro de 2012, Nova Deli ficou chocada com o estupro e assassinato brutal de Jyoti Pandey, 23 anos, estudante de medicina pertencente a uma família de classe média baixa. O incidente lançou a cidade em uma série de protestos e demandas. A peça é um guia satírico sobre como as mulheres devem se vestir, uma peça curta que visa desafiar noções de segurança, responsabilidade e responsabilização das vítimas.
Ficha Técnica: Concepção e performance: Mallika Taneja; turnê e produção: Meghna Singh Bhadauria; divulgação internacional: Judith Martin e Ligne Directe.

*****

Contos Imorais – Parte 1: Casa Mãe (Contes Immoraux – Partie 1: Maison Mère) 
6/3 às 21h – 7/3 às 21h – 8/3 às 18h – LOCAL: Sesc Pinheiros

Sinopse: Partindo dos temas levantados pela mostra – a descentralização da arte, os conceitos de centro e periferia, o papel do artista num mundo em conflito –, a francesa Phia Ménard reflete sobre a identidade e os problemas da Europa de hoje, fazendo um paralelo entre no “rico norte” europeu e Atenas, imersa em crises.
Ficha técnica: director: Phia Ménard and Jean-Luc Beaujault; produtora: Cie Non Nova; cenografia: Phia Ménard; performance: Phia Ménard; música e som: Ivan Roussel.

*****

ORLANDO (Instalação vídeo-musical) 
7/3 às 16h e às 18h – 8/3 às 16h e às 18h – LOCAL: Teatro Sérgio Cardoso

Sinopse: Romance de Virginia Woolf sobre um personagem andrógino, que flui entre o feminino e o masculino, ORLANDO é o ponto de partida desta vídeo-instalação, que combina imagens projetadas e música ao vivo dentro de um cenário imersivo, pelo qual o público pode circular. Após a sessão, os artistas fazem uma conversa com o público
Ficha Técnica: Direção artística e coreografia: Julie Beauvais; direção: Julie Beauvais e Horace Lundd; direção de arte, direção de fotografia e vídeos: Horace Lundd.

*****

O que Fazer Daqui pra Trás
7/3 às 19h – 8/3 às 19h – 9/3 às 19h – LOCAL: Teatro Cacilda Becker

Sinopse: Em O que fazer daqui para trás, de João Fiadeiro explora o tempo – sua duração, suspensão ou intervalo – ao “mesmo tempo” que foca a sua atenção naquilo que fica, no que foi esquecido, no resto. “O que fazer daqui para trás” posiciona-se entre a dúvida e a possibilidade. Onde o não-dito é mais importante do que aquilo que se diz, onde a ausência se sobrepõe à presença e onde o drama não vem do teatro mas daquilo que os corpos – dos performers e dos espectadores – podem (e têm e trazem).
Ficha Técnica: concepção e direção: João Fiadeiro; codireção: Carolina Campos; performance e cocriação: Adaline Anobile, Carolina Campos, Márcia Lança, Iván Haidar e Daniel Pizamiglio.

*****

Tu amarás
7/3 às 21h – 8/3 às 20h – LOCAL: Teatro Porto Seguro

Sinopse: O que é um inimigo? Como é construído? O que o define ou diferencia? Como nos relacionamos com o «outro»? Essas são algumas das questões e tensões que surgem entre um grupo de médicos chilenos, ao refinarem os últimos detalhes de sua apresentação para uma convenção internacional sobre preconceitos na medicina.
Ficha Técnica: Direção: Pablo Manzi e Andreina Olivari; dramaturgia: Pablo Manzi; elenco: Paulina Giglio, Pablo Manzi, Guilherme Sepúlveda, Carlos Donoso, Gabriel Cañas

*****

Jerk (Babaca)
09/3 às 19h – 10/3 às 19h – 11/3 às 19h – LOCAL: Teatro Sérgio Cardoso

Sinopse: O solo, fruto da parceria entre o escritor americano Dennis Cooper e a diretora franco-austríaca Gisèle Vienne, é uma reconstrução imaginária, estranha e sombria dos crimes cometidos pelo serial killer Dean Corll (1939-1973), conhecido como «the candy man» (o homem dos doces).

Ficha técnica: de um romance de: Dennis Cooper; direção: Gisèle Vienne; dramaturgia: Dennis Cooper; música: Peter Rehberg (música original) e El Mundo Frio of Corrupted; designer de luz: Patrick Riou;  performado por e criado em colaboração com Jonathan Capdevielle; vozes gravadas: Dennis Cooper e Paul P; stylisme: Stephen O’Malley e Jean-Luc Verna; marionetes: Gisèle Vienne e Dorothéa Vienne Pollak; maquiagem: Jean-Luc Verna e Rebecca Flores; figurinos: Dorothéa Vienne Polak, Marino Marchand e Babeth Martin

*****

O Pedido (The Claim)
10/3 às 21h – 11/3 às 21h – 12/3 às 21h – LOCAL: Teatro Cultura Inglesa Pinheiros

Sinopse: Primeira parceria entre o diretor Mark Maughan e o dramaturgo Tim Cowbury, o espetáculo explora as falhas e injustiças dos sistemas de asilo para refugiados. A peça parte da história de Serge, exilado do Congo, que se depara com um oficial de imigração britânico. Num tom cômico e absurdo, a narrativa investe na força do texto, repleto de jogos de palavras. Assim, questiona a funcionalidade dos organismos de asilo, presos a um sistema kafkiano – o título da peça, por sinal, é uma referência a O Processo, livro de Franz Kafka–, e discute a nossa falta de escuta do outro.
Ficha Técnica: texto: Tim Cowbury; direção: Mark Maughan; elenco: Tonderai Munyevu, Nick Blakeley e Indra Ové.

*****

By Heart 
10/3 às 21h – 11/3 às 21h – 12/3 às 21h – LOCAL:  Teatro Faap

Sinopse: A história do espetáculo nasceu da relação de Tiago Rodrigues com sua avó Cândida, cozinheira e leitora assídua, que tinha por hábito decorar trechos de livros, muitos deles presenteados pelo neto em suas visitas. By Heart trata do vínculo entre a literatura e a memória, em especial do aspecto afetivo dessa relação.
Ficha Técnica: texto, encenação e interpretação: Tiago Rodrigues; com fragmentos e citações de: William Shakespeare, Ray Bradbury, George Steiner e Joseph Brodsky.

*****

Farm Fatale
12/3 às 21h – 13/3 às 21h – 14/3 às 21h – LOCAL: Sesc Vila Mariana

Sinopse Em Farm Fatale, o diretor Philippe Quesne evoca o imaginário da vida no campo. Mas esse espaço rural, antes idílico, agora surge num futuro distópico, já todo abandonado. Os sons da natureza se dissiparam, os pássaros e insetos desapareceram e as pessoas foram embora. Mascarados, com a voz deformada e o caminhar endurecido, como se fossem zumbis, os personagens usam do humor e da ironia na busca de um recomeço, na utopia de um mundo novo e melhor – um mundo sem pessoas.
Ficha técnica: concepção, direção, cenário, figurinos e produção de palco: Philippe Quesne; elenco: Léo Gobin, Stefan Merki, Damian Rebgetz, Julia Riedler e Gaëtan Vourc’h.

*****

Sopro (2017)
13/3 às 20h – 14/3 às 20h – 15/3 às 19h – LOCAL: Teatro Sesi SP

Sinopse: Homenagem ao teatro e seus bastidores, o espetáculo é construído a partir das lembranças de Cristina Vidal, que há quase 30 anos trabalha como ponto (a pessoa que sopra as falas para atores que se esquecem do texto) no Teatro Nacional D. Maria II, em Lisboa.
Ficha Técnica: texto e encenação: Tiago Rodrigues; com: Beatriz Maia, Cristina Vidal, Isabel Abreu, Marco Mendonça, Romeu Costa e Sara Barros Leitão; elenco original: Beatriz Brás, Cristina Vidal, Isabel Abreu, João Pedro Vaz, Sofia Dias e Vítor Roriz;

*****

Burgerz (Burgerz) 
13/3 às 19h – 14/3 às 19h – 15/3 às 19h – LOCAL: Centro Cultural São Paulo – sala Jardel Filho

Sinopse: Depois que alguém jogou um hambúrguer e gritou uma ofensa transfóbica para Travis Alabanza em plena luz do dia na Ponte de Waterloo, em Londres, e nenhum dos transeuntes se manifestou, ile*, que se define como uma pessoa não binária, começou uma obsessão por hambúrgueres: como são feitos, qual a sua textura e seu cheiro.
* Os pronomes não binários “ile(s)” (em inglês “they”) substituem os pronomes pessoais “ela(s)” ou “ele(s)”. São termos que não demarcam o gênero, já que pessoas não binárias não se identificam como femininas ou masculinas.  
Ficha Técnica: Direção: Sam Curtis Lindsay; cenário e figurino: Soutra Gilmour.

 

Programação MITbr – Plataforma Brasil

Gota D’Água {PRETA} – Foto:_Evandro Macedo

Gota D’Água {Preta} 
11/3, às 18h – LOCAL: Teatro do Sesi SP

Sinopse: A adaptação de Gota d’Água, musical de Chico Buarque e Paulo Pontes, ressalta as questões raciais embutidas na obra de 1975, que transfere a ortes de Medeia para o ortes do Rio de Janeiro. Se o original discute as implicações sociopolíticas do regime militar brasileiro, então vigente, a releitura do ortes Jé Oliveira enegrece e atualiza a obra: ort um elenco majoritariamente negro, evidenciando o contexto social e racial dos personagens. Com a metáfora de uma traição conjugal, o espetáculo realça a discussão racial, social e de orte com base no atual momento político do país.
Ficha Técnica: dramaturgia: Chico Buarque e Paulo Pontes; direção-geral, concepção e idealização: Jé Oliveira; elenco: Aysha Nascimento, Dani Nega, Ícaro Rodrigues, Jé Oliveira, Juçara Marçal, Marina Esteves, Mateus Sousa, Rodrigo Mercadante e Salloma Salomão; banda: DJ Tano (pickups e bases), Fernando Alabê (percussão), Gabriel Longhitano (guitarra, violão e cavaco) e Suka Figueiredo (sax); assistência de direção e Figurino: Éder Lopes.

*****

Meia Noite
11/3 às 21h12/3 às 16hLOCAL: Teatro Alfredo Mesquita

Sinopse: No espetáculo, a capoeira é tratada como elemento criador e motivador do movimento e também como um ponto de partida para se pensar a memória do corpo negro que dança. Para tanto, o bailarino Orun Santana se inspira na vivência com seu pai, o mestre Meia-Noite. Em cena, Santana faz um paralelo entre dois universos. Um, pessoal, de sua relação familiar, entre pai e filho, mestre e discípulo. Outro, social e cultural, dos movimentos e do imaginário político-poético do corpo negro na cena.
Ficha Técnica: intérprete-criador e diretor: Orun Santana; consultoria artística: Gabriela Santana; assistente de direção: Domingos Júnior; trilha sonora: Vitor Maia; iluminação: Natalie Revorêdo; cenografia e figurino: Victor Lima; produção: Danilo Carias (Criativo Soluções).

*****

Stabat Mater
11/3 às 20h – 12/3 às 20h – LOCAL: Teatro Cacilda Becker

Sinopse: O espetáculo, cuja abertura de processo foi apresentada na edição anterior da MITsp, é parte de uma pesquisa mais ampla de Janaina Leite sobre o real no teatro – agora sob a luz do obsceno. A artista e pesquisadora propõe o formato de uma palestra-performance sobre o feminino, para o qual se buscou um ator pornô, ela articula de forma radical temas historicamente inconciliáveis como maternidade e sexualidade. Tendo o terror e a pornografia como bases estéticas, Leite investiga as origens de um arranjo histórico entre o feminino e o masculino, que o trabalho tenta desarmar não sem antes correr riscos e enfrentar os mecanismos de gozo e dor que fixam essas posições.
Ficha Técnica: concepção, direção e dramaturgia: Janaina Leite; performance: Janaina Leite, Amália Fontes Leite e Príapo; participações especiais: Príapo amador (Lucas Asseituno) e Príapo profissional (Loupan).

*****

Fortaleza 2040
12/3 às 19h – LOCAL: Itaú Cultural – sala Multiuso

Sinopse: Partindo de estudos sobre a Constituição brasileira, a bailarina Andréia Pires elabora neste espetáculo o que chama de Constituição Coreográfica Criminosa. A artista investiga de que modo o crime pode ser percebido como prática política discursiva, ortesí por certos regimes de poder, e como o corpo, na produção de coreografia, ortes nessa construção. A “coreografia criminosa” se posiciona diante de regras de comportamento e de esquemas de orte e de progresso levantados por meio da censura e do medo.
Ficha Técnica: concepção, direção e performance: Andréia Pires, Geane Albuquerque e Honório Félix.

*****

Por Onde Andam os Porcos
12/3 às 21h – 13/3 às 17h – LOCAL: Teatro Sérgio Cardoso

Sinopse: A imagem do porco capitalista ganha uma releitura performance. Em vez da figura centralizada do opressor (uma elite que controla a sociedade), é a humanidade que é entendida como responsável pelo sistema. O trabalho é feito de cenas improvisadas, e os intérpretes modificam seus gestos de acordo com estímulos do espaço e dos espectadores. Tudo acontece como numa galeria de arte, e o público pode caminhar e conversar.
Ficha Técnica: direção geral: Kildery Iara; intérpretes-criadoras: Kildery Iara, Marcela Aragão, Meujael Gonzaga e Marcela Felipe.

*****

Violento
12/3 às 18h – 13/3 às 21h – LOCAL: Centro Cultural da Diversidade
Sinopse: O solo de Preto Amparo propõe a descolonização do olhar sobre corpo negro – isto é, uma mudança sobre essa leitura que, historicamente, ratifica violências. O espetáculo se apropria dessas violências como artifício estético e criativo para rasurá-las, perfurá-las e reconfigurá-las.
Ficha Técnica: atuação: Preto Amparo; direção: Alexandre De Sena; dramaturgia: Alexandre de Sena e Preto Amparo; produção: Grazi Medrado; registro em foto e vídeo: Pablo Bernardo; iluminação: Preto Amparo; preparação corporal: Wallison Culu/Cia Fusion De Danças Urbanas; assessoria de trilha sonora: Barulhista.

*****

Pequeño frente o pior
13/3 às 21h – 14/3 às 20h – LOCAL: Centro Cultural São Paulo – espaço cênico Ademar Guerra

Sinopse: PEQUEÑO FRENTE O PIOR traça um percurso vertiginoso sobre o que significa ortesías sociedade, em especial no atual momento sócio-político do Brasil e do mundo. Fruto do diálogo entre a Inquieta Cia. E os artistas Marcelo Evelin e Thereza Rocha, o espetáculo transita entre linguagens (teatro, dança e performance) e parte de estudos sobre a dramaturgia que nasce do corpo, de seus gestos e expressões, e ressoa além dele.
Ficha Técnica: performers: Andréia Pires, Andrei Bessa, Geane Albuquerque, Gyl Giffony, Lucas Galvino, Wellington Fonseca; interlocução: Marcelo Evelin; colaboração dramatúrgica: Thereza Rocha.

*****

Cancioneiro Terminal
13/3 às 19h – 14/3 às 19h – LOCAL: Biblioteca Mário de Andrade – Sala Tula Pilar Ferreira

Sinopse: O MEXA é um coletivo artístico que trabalha com pessoas à orte. Em Cancioneiro Terminal, o grupo parte da investigação de ortesías e vídeos produzidos sobre si. A cada performance, o MEXA reencena e edita em tempo real um novo filme, através de exercícios de tradução e dublagem. Ao fazer isso, os artistas pensam sobre o que significa ser uma orte, o que fica quando tudo o mais desaparece e como, sendo um corpo coletivo, ortes juntos.
Ficha Técnica: direção geral: Grupo MEXA; concepção do grupo: Anita Silvia e Dudu Quintanilha; dramaturgia: João Turchi; direção audiovisual: Dudu Quintanilha; banda: Alessandro Lins dos Anjos, Dourado, Barbara Britto e Giulianna Nonato; performers: Daniela Pinheiro, Ivana Siqueira, Tatiane del Campobello, Patrícia Borges, Yasmin Bispo, Luiza Brunah Wunsch, Fabíola Dummont, Muniky Flor, Roberto Lima Miranda, Kristen Oliveira e Anita Silvia, Alessandro Lins dos, Barbara Britto, Dourado, Dudu Quintanilha, Giulianna Nonato, João Turchi, Lu Mugayar.

*****

tReta
13/3 às 20h – 14/3 às 20h – LOCAL: Tendal da Lapa

Sinopse: As várias «tretas» enfrentadas diariamente por jovens periféricos, refugiados e minorias em geral foram a base de trabalho do grupo Original Bomber Crew. “Tretas” da política, do patriarcado, do colonialismo e da batalha de breaking que geram embates pela sobrevivênciaA peça é um conflito, uma explosão, um ato premeditado para envolver o outro.
Ficha Técnica: concepção: Allexandre Santos e Cesar Costa; direção: Allexandre Santos; criação e performance: Allexandre Santos, Cesar Costa, Javé Montuchô, Malcom Jefferson, Maurício Pokemon e Phillip Marinho.

*****

O Ânus Solar
14/3 às 18h30 – 15/3 às 18h30 – LOCAL: Centro Cultural São Paulo – espaço cênico Ademar Guerra

Sinopse: Pequeño escrito surrealista do ortes Georges Bataille, O  Ânus Solar serve de inspiração para o trabalho de Maikon K, que cria uma espécie de ritual cênico a partir dos temas tratados no orte – como a crítica ao conceito de civilização e às regras sociais, além de um enfrentamento ao modo como lidamos com o prazer e a orte. O performer evoca ainda a escrita surrealista e extática do texto de Bataille, combinando gestos e imagens que, postos lado a lado, perdem ou alteram seu significado original.
Ficha Técnica: concepção e performance: Maikon K; interlocução artística: Patrícia Saravy.

*****

Entrelinhas
14/3 às 19h – 15/3 às 16h – LOCAL: Teatro Cacilda Becker

Sinopse: Num diálogo entre o passado e o presente, o espetáculo discute a violência contra a mulher e evidencia como a voz feminina (em especial a da mulher negra) é historicamente silenciada dentro de uma sociedade machista e de mentalidade escravocrata. Alternando-se entre as figuras de vítima e algoz, Elesbão também expõe elementos religiosos e indumentárias femininas, como o sutiã e o salto alto, símbolos de liberdade e amarra do corpo da mulher.
Ficha Técnica: coreógrafa e intérprete: Jaqueline Elesbão.

*****

Recolon
14/3 às 17h – 15/3 às 17hLOCAL: Vila Itororó

Sinopse: Os impactos ambientais e humanos causados pelas construções de usinas hidrelétricas na bacia do Rio Madeira, em Rondônia, foram o ponto de partida para o artista manauara Leonardo Scantbelruy criar o solo, primeiro trabalho do Coletivo Mona. O intérprete utiliza uma pasta de mandioca para se desconfigurar gradativamente e investigar por meio de metáforas corporais o estado emocional e psicológico de um corpo atravessado por um choque ambiental que viola inúmeros direitos.
Ficha Técnica: concepção, direção e performance: Leonardo Scantbelruy; interlocução: Gilca Lobo e Elisa Schmidt; assistência de direção: Francisco Rider; iluminação e sonoplastia: Daniel Braz; figurino: Preta Scantbelruy; apoio: Coletivo Mona, Movimento Levante MAO e Coletivo Difusão.

*****

ZOO (2018) | Macaquinhos| SP
14/3 às 19h – 15/3 às 17h – LOCAL: Centro de Referência da Dança

Sinopse: Uma festa mal acabada, rastros de intimidade pelo espaço e trechos de uma suruba musical carregam o ambiente. O mais recente trabalho do Macaquinhos é uma instalação performativa que desencanta os zoológicos humanos realizados em países colonizadores da Europa durante o século 20. É um ambiente sensorial carregado de cheiros e sons, um lugar para expectativas que questiona o que é doméstico e o que é espetacular.
Ficha Técnica: criação, direção e performance: Andrez Lean Ghizze, Caio, Danib.a.r.r.a, Feliz, Kupalua, Luiz Gustavo, Marine Sigaut e Rosangela Sulidade; colaboração artística: Carol Mendonça, Elisa Liepsch e Kontouriotis.

También podría gustarte