Activismo nudista

657

Chega a São Paulo no sábado 26 a exposição Adágio, do fotógrafo Rafael Roncato, que reúne imagens da cartunista e ativista Laerte Coutinho, de 65 anos. As fotos num processo experimental com tintas branca e preta, serão expostas na Ugra – Quadrinhos & Contracultura (Rua Augusta, 1.371, loja 116).

Os visitantes também podem conferir ilustrações de Laerte durante o ensaio. Com formação em fotojornalismo, Roncato tem 27 anos e já fotografou para a revista britânica Futurespace e para o MAM de São Paulo. 

CartaCapital: Em geral, acusava-se de hedonista o protagonista de fotos nuas em revistas e exposições. O que diferencia suas fotos do hedonismo?

Laerte Coutinho: Uau. Acho que tomaria como elogio. Tive prazer em fazer as fotos, se isso se enquadra em coisa acusável. Já as ver é diferente. Tenho dificuldade em ver trabalhos que fiz ou que outros fizeram. É um tipo de ansiedade, uma vez que é impossível ter feito diferente.

CC: Pelo seu ativismo, seria de esperar reações furibundas contra a mostra. Qual foi a mais engraçada e qual a mais violenta?

LC: Ué, ainda não vi reações furibundas. Será que bloqueei todos os furibundos? As poucas que vi não eram nem engraçadas nem especialmente violentas. Me chamavam de velha ridícula. Ou de velho ridículo, para me ferir.

Laerte
‘São só fotos de minha nudez’, diz Laerte (Foto: Rafael Roncato)

CC: O nudismo em tempos de golpe é também uma militância contra o golpe?

LC: São coisas diferentes. Houve até uma “musa do impeachment”, não? Que fazia umas performances nuas em público. Se bem que minhas fotos não se enquadram em ativismo nudista. São só fotos de minha nudez.

CC: Quais as perspectivas democráticas do Brasil? Voltaremos a acreditar em eleições?

LC: Durante a ditadura que começou em 1964 eu tinha certeza de que não havia outra possibilidade senão a volta da democracia. Sinto que hoje estamos enfrentando algo mais complexo, inclusive no campo dos que lutam pela manutenção de direitos e de liberdades. Por isso mesmo algo mais perigoso e escorregadio.

Publicado en Carta Capital
También podría gustarte