Brasil Jazz Fest

965

Um dos mais tradicionais eventos de jazz do país (antes chamado de Free Jazz, Tim Festival e BMW Jazz Festival), o braziljazzfest divulgou, nesta quinta-feira, a programação de sua 31ª edição, que será realizada em São Paulo (Sala São Paulo e Auditório Ibirapuera) e no Rio (Vivo Rio), no início de abril. Responsável por trazer o trompetista e compositor americano Wynton Marsalis no ano passado, o evento investe no reencontro entre dois grandes nomes do gênero: o pianista Herbie Hancock, de 75 anos, e o saxofonista Wayne Shorter, 82, remanescentes do quinteto de Miles Davis, consagrado na década de 1970.

— Será o diálogo entre dois grandes amigos e duas lendas do jazz — opina Monique Gardenberg, diretora do festival, que tem curadoria do jornalista, crítico e escritor Zuza Homem de Mello, do músico e produtor musical Zé Nogueira, e do produtor Pedrinho Albuquerque. — Sem sintetizadores ou sessão rítmica, só a música introspectiva do piano do Herbie e o sax do Wayne. Acho que será especial.

Shorter tocou pela última vez no Rio em junho de 2011, no BMW Jazz Festival, para um Oi Casa Grande lotado. Na ocasião, ele dividiu a noite com outro grande nome do sax, Joshua Redman. Antes disso, Shorter esteve no TIM Festival de 2005, como grande atração da noite de abertura.

A última turnê de Hancock no país, por sua vez, foi mais recente: em 2013, o americano fez apresentações em São Paulo, em Paraty (no festival Mimo) e também Rio, no então Citibank Hall (que voltou a se chamar Metropolitan). A apresentação da dupla no Vivo Rio está marcada para o dia 1º de abril.

No dia seguinte, outro aguardado encontro anunciado pelo festival junta o quinteto instrumental americano Kneebody e o produtor Daedelus. No ano passado, eles lançaram o disco “Kneedelus”, muito elogiado pela crítica internacional. O álbum saiu pelo selo Brainfeeder, que tem como curador Steven Ellison (mais conhecido pelo codinome artístico Flying Lotus), o que entrega seu caráter vanguardista e experimental. A abertura da noite fica por conta do baterista e compositor mexicano Antonio Sánchez, acompanhado de sua banda de apoio, Migration.

No encerramento, dia 3, o representante brasileiro da programação também não deixa a desejar: o hypado bandolinista Hamilton de Holanda reúne, após 10 anos, o quinteto Brasilianos, que o projetou. A programação do dia é completada pelo alaudista e ativista político tunisiano Anouar Brahem.

Os ingressos para o festival começam a ser vendidos nesta sexta, às 13h. A programação completa e demais informações podem ser consultadas em www.brasiljazzfest.com.br.

Publicado en O Globo

Vencedor do Grammy, baterista de «Birdman» faz trilha ao vivo no Ibirapuera

A 31ª edição do festival de jazz brasiljazzfest já tem todos os ingressos esgotados. Mas quem não conseguiu ingresso poderá assistir ao show de encerramento, na plateia externa do Auditório Ibirapuera, no dia 3 de abril, às 18h30. Esta edição terá o baterista Antonio Sanchez, vencedor do Grammy pela trilha de «Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância)», de Alejandro Iñarritu.

Na apresentação ao ar livre, o baterista sobe ao palco sozinho para tocar a trilha ao vivo, enquanto o filme é exibido em cima do palco do Auditório.

Durante a apresentação, o músico apresenta seus solos de bateria, que vão de rock progressivo, fusion, música erudita e eletrônica a ritmos latinos.

Em outra participação no cinema, Sanchez também aparece como o baterista da banda de Miles Davis no filme «Miles Ahead», dirigido e estrelado por Don Cheadle. O filme tem estreia prevista para dia 1º de abril, nos Estados Unidos. No Brasil, ainda não há previsão de estreia.

Serviço
Antonio Sanchez em ‘Birdman Live’
Quando: Dia 3 de abril, domingo, 18h30
Onde: Plateia externa do Auditório Ibirapuera
Quanto: Gratuito
Classificação etária: 16 anos
Mais informações: www.brasiljazzfest.com.br/

Publicado en UOL

Festival de jazz terá alaudista da Tunísia

A 31ª edição do festival Brasil Jazz Fest, que será realizado em São Paulo e no Rio de Janeiro a partir do próximo dia 30, terá shows de um artista árabe. O músico Anouar Brahem traz para o País seu quarteto em duas apresentações.

De acordo com informações da organização do festival, o tunisiano Brahem terá na companhia do seu alaúde o clarone de Klaus Gesing, mais Bjorn Meyer, no baixo, e Khaled Yassine, na percussão. No Brasil, o grupo irá apresentar o show “The astounding eyes of Rita” (“Os assombrosos olhos de Rita”, em inglês), do álbum de mesmo nome lançado em 2009.

Djibouti, Líbano e a Primavera Árabe, movimento que derrubou governos nos países do Oriente Médio e do Norte da África a partir de 2011, são temas da obra de Brahem, que nasceu em Túnis em 1957 e começou seus primeiros estudos na música ainda na capital tunisiana. Em suas composições, o som do alaúde se une a músicas folclóricas árabes e ao jazz tradicional. O instrumento é similar a um violão e muito utilizado pelos compositores árabes.

Brahem afirmou à ANBA que está “ansioso” pelo show no Brasil. “Será minha primeira vez em um país da América do Sul. Estou muito feliz em poder me apresentar em São Paulo e no Rio e também ansioso, pois será uma plateia completamente nova para mim”, disse, ao telefone, após um ensaio em Paris.

O festival terá, ainda, apresentações do pianista Herbie Hancock e do saxofonista Wayne Shorter, ambos norte-americanos, e do bandolinista brasileiro Hamilton de Holanda, entre outros. Os ingressos para São Paulo estão esgotados, mas ainda há entradas para a apresentação no Rio de Janeiro.

Publicado en ANBA

Ver programación: www.brasiljazzfest.com.br/wpjazz/#ingressos

 

 

 

 

También podría gustarte