El país de los seis Berlusconis

«O País dos 6 Berlusconis» retrata monopólio da mídia e seu impacto na democracia

Documentário realiza campanha de financiamento coletivo para poder circular pelo Brasil e alcançar pessoas e movimentos

Por Luciana Console

«Os 6 principais grupos de comunicação no Brasil concentram mais de 90% da audiência», é o que afirma o diretor Pablo Guelli, realizador do documentário «O País dos 6 Berlusconis». O filme tem previsão de estreia para abril de 2019 e traz entrevistas com pensadores renomados como Noam Chomsky, Luis Nassif, Glenn Greenwald, Jessé de Souza e Xico Sá, entre outros, e faz uma referência à Silvio Berlusconi, ex-Primeiro Ministro italiano, dono de uma rede de televisão e bilionário.

Ao longo dos 70 minutos de duração, o documentário revela como funciona o oligopólio de mídia no Brasil e como ela é usada para beneficiar poderosos e gerar lucro em detrimento do interesse público.

A ideia de retratar o assunto no audiovisual começou a surgir desde a época em que Guelli trabalhava como jornalista para as grandes empresas de mídia. «Comecei a perceber que a imprensa brasileira sempre tem conflito entre o que é interesse da empresa e do que é interesse público. ‘O país dos 6 Berlusconis’ é o primeiro filme que fala concretamente sobre como a concentração de mídia influencia a democracia brasileira.»

Produzido inicialmente para o canal CINEBRSILTV pela Salamanca Filmes, «O país dos 6 Berlusconis» foi um dos projetos brasileiros selecionados pela DOCSP e Doc Society, além de ter sido escolhido para o Laboratório de Convergência Audiovisual do Ministério da Cultura e Spcine pelo teor de impacto social. No entanto, Pablo explica que o financiamento não foi suficiente e a produção está com uma página no Catarse para arrecadar fundos.

«A gente conseguiu verba para produzir o filme, mas não tivemos verba para divulgar nos cinemas de todo o Brasil. Então a gente precisa desse valor para que o filme não seja restrito a um canal à cabo. A gente quer mostrar o filme pra todo o Brasil e quer que as pessoas vejam», diz.

A produção será lançada em um momento delicado da política brasileira que, segundo Guelli, é resultado de um ciclo que começou em 2005. O diretor se refere ao escândalo do Mensalão e a forte atuação da mídia brasileira na construção do ódio à um grupo político específico.

«Acho que todos que começamos a observar como funciona a imprensa brasileira, começamos a ver que existem dois pesos e duas medidas. Por que você dá um peso para o ministro que comprou uma tapioca com cartão corporativo e aquilo rende um mês de reportagens, com direito a capas de jornais e Jornal Nacional?».

Além das salas de cinema, a campanha no Catarse tem como intuito financiar várias ações de impacto social em torno do tema da concentração da mídia brasileira. A intenção é realizar cine-debates, exposições, peças teatrais e também levar o filme para ONGs, faculdades e governos.

Brasil de Fato

También podría gustarte