Brasil: la actriz Regina Duarte busca formar gabinete conservador para asumir la Secretaria de Cultura

Invitaría a la reverenda Jane Silva para la Secretaría adjunta

Foto: Carolina Antunes / PR / Divulgação
1.881

Actriz de telenovela Regina Duarte será la nueva ministra de Cultura de Bolsonaro

La popular actriz de telenovelas brasileñas, Regina Duarte, aceptó esta semana hacerse cargo, interinamente, de la Secretaría de Cultura del gigante sudamericano en reemplazo de Eduardo Alvim. El funcionario fue destituido el pasado viernes por el presidente Jair Bolsonaro, tras haber plagiado un discurso de Joseph Goebbels.

De acuerdo con reportes de la agencia de noticias Efe, la intérprete hará una prueba dentro de la Secretaría antes de asumir la jefatura. Por ello, catalogó su relación con la administración de Bolsonaro como un “noviazgo”.

“Nos pusimos de novios con el Gobierno”, dijo Duarte luego de un encuentro con el mandatario brasileño en su casa de Río de Janeiro.

La actriz, de 72 años, se estrenó en TV Globo en 1969, como protagonista de “Véu de Noiva”, título con el que se ganó el calificativo de la “novia de Brasil”. Allí participó en éxitos como “Irmãos Coragem”, “Malú Mulher” (1979), “Roque Santeiro” (1985), “Vale Tudo” (1988), “Rainha da Sucata” (1990), “Por Amor” (1997), “Páginas da Vida” (2006) y “O Astro” (2011). Roles, a su vez, por los cuales se hizo conocida entre el público cubano.

Duarte también ha sobresalido por su apoyo al Gobierno de Jair Bolsonaro y sus posiciones de derecha.

“Con cuerpo y alma con este Gobierno, ya sabes, apasionada como siempre por mi país, loca por contribuir a la producción de alegría y felicidad general (…) Me entrego a lo que Dios y el destino me tienen reservado, muy agradecida por la confianza de todos”, escribió la nueva secretaria interina en Instagram.

No obstante, su aceptación del cargo no ha estado exento de polémica. Tras aceptar la cartera ministerial, la compañía TV Globo, con la que tiene contrato desde hace casi 50 años, suspendió su vínculo suspensión de su vínculo con la actriz, debido a su “política interna”. Así lo hizo saber la entidad en un reciente comunicado.

Regina fue protagonista en 2002 de una campaña contra el entonces candidato de izquierda Luiz Inácio Lula da Silva. En 2018 declaró su apoyo a Bolsonaro y, en plena campaña, lo visitó en su residencia en Río de Janeiro, cuando el líder ultraderechista se recuperaba del atentado que sufrió poco antes de las elecciones.

 

Ver esta publicación en Instagram

 

Bom dia . Nunca é demais lembrar o tanto de respeito que este governo tem pelo seu povo .

Una publicación compartida por Regina (@reginaduarte) el

Asere


Governo banca despesas de Regina Duarte em Brasília e se recusa a informar valores

Por Daniel Carvalho

Mesmo sem a garantia de que Regina Duarte aceitará ocupar a Secretaria da Cultura, o governo Jair Bolsonaro tem bancado as despesas da atriz e de assessores em Brasília. Passagens e hospedagem foram pagos com dinheiro público.

A atriz veio à capital federal nesta quarta-feira (22) para conhecer o órgão. Ela ainda precisa tomar sua decisão sobre comandar a área cultural do governo Bolsonaro.

O nome de Regina é aposta para substituir o dramaturgo Roberto Alvim. Ele foi demitido do órgão após a publicação de um vídeo com discurso e estética nazistas, na semana passada.

«O Ministério da Cidadania informa que custeou as despesas de deslocamento e estadia de Regina Duarte e de seus assessores», informou a pasta, que, inicialmente, tinha a Secretaria Especial da Cultura sob seu guarda-chuva.

O ministério se recusou a informar quantos assessores estão sendo patrocinados e qual o valor total das despesas.

Regina tem ao menos dois acompanhantes em Brasília. Um deles é seu filho e sócio, André Duarte Franco. Como mostrou a coluna Mônica Bergamo, ele é o elo da atriz com a ala bolsonarista do governo.

No hotel onde ela se hospedou desde quarta, uma diária varia de R$ 377,10 —o quarto mais simples— a R$ 2.239 —a suíte master—, segundo pesquisa no site do próprio hotel tendo como referência a data desta quinta-feira (23).

A atriz segue para São Paulo, segundo a Secretaria Especial da Cultura.

«O ministério informa ainda que o procedimento não fere normas legais e faz parte da prática de gestão dos órgãos do Executivo», disse a pasta da Cidadania em nota.

Regina chegou a Brasília no início da tarde de quarta em um voo comercial. Foi recebida no aeroporto por funcionários do governo, que, em dois carros, a levaram até o Palácio do Planalto, onde almoçou com Bolsonaro.

Em seguida, ela passou a o restante da quarta em reunião na pasta que cogita assumir. O mesmo aconteceu nesta quinta. Ela deixou a Secretaria Especial da Cultura sem falar com a imprensa.

«De acordo com a assessoria particular de Regina, ela vai refletir sobre tudo que viu e aprendeu. A previsão para que ela dê uma resposta é após o retorno do presidente»,informou a secretaria, referindo-se à ausência de Bolsonaro, que viajou nesta manhã para a Índia e só volta na próxima semana.

Integrantes da pasta disseram à Folha que ela se reuniu com o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, a quem a Secretaria Especial da Cultura hoje está subordinada.

Secretários do ministério se apresentaram e falaram de suas áreas de atuação. A atriz agradeceu, deu declarações genéricas no sentido de valorizar a cultura no Brasil e ficou de fazer novas reuniões após a nomeação, caso, de fato, aceite.

Ao fim da reunião, ela convidou a reverenda Jane Silva, atual secretária de Diversidade Cultural da pasta, para o cargo de secretária-adjunta na Cultura. A decisão também foi revelada pela coluna Mônica Bergamo.

Silva é atualmente secretária da Diversidade Cultural. Segundo o governo, ela ocupará temporariamente o cargo de secretária-adjunta até que haja uma definição sobre a nomeação de Regina.

Em vídeo divulgado na noite de quinta-feira (23), o presidente Jair Bolsonaro disse que a atriz está «propensa» a aceitar o posto, que não há ninguém melhor que ela para assumir a função e que ela é uma pessoa «equilibrada» e «vivida».

«Ela está propensa a ser a nossa secretária de Cultura, que tem o equivalente a 13 subsecretarias abaixo dela, com centenas de pessoas. Agora, ela está muito bem disposta, com gás, com vontade e quer colaborar. Se Deus quiser, vai dar tudo certo», afirmou.

Bolsonaro reafirmou que, pelo que tudo indica, a atriz dará uma resposta afirmativa no início da próxima semana, quando o presidente retornar de viagem à Índia. Na visita que fez à estrutura federal, nesta quinta-feira (23), a atriz já começou a discutir a indicação dos subsecretários.

Segundo relatos feitos à Folha, ela cogita, em um primeiro momento, manter boa parte dos quadros que ocupam os postos de comando e, em um médio prazo, fazer mudanças pontuais, substituindo por produtores e artistas de sua confiança.

O presidente já disse à atriz que ela terá independência para formar a sua equipe, sem interferências políticas. «Regina Duarte, se vier, muito bem-vinda. Ninguém melhor do que você para bem desempenhar essa função», disse Bolsonaro.

También podría gustarte